pt
en

Companhia Paulo Ribeiro

Decorative image Decorative image Decorative image
Decorative image Decorative image Decorative image

Step Forward
Academia de Artes do Estoril
23 de Fevereiro 21H00
24 de Fevereiro 19H00

Step Forward é um corpo de três partes que, através do tempo, se inscreve na linguagem coreográfica de Paulo Ribeiro. Um programa composto por duas obras emblemáticas interpretadas pelo Ballet Gulbenkian – Encantados de Servi-lo, criada em 1991 (originalmente coreografada para e estreada pela companhia Nederlands Dans Theater) e Comédia Off, em 1996 -, que fazem parte do período inicial da sua identidade autoral, e Summer’s Almost Gone, uma nova criação desenhada a partir da relação do coreógrafo com o passeio marítimo de Cascais e que celebra esta paisagem enquanto memória afectiva que se estende até ao presente.

Encantados de Servi-lo procura exprimir-se como uma escultura lírica e densa de corpos que, através de um vocabulário vigoroso e virtuoso, se confrontam, testam e abraçam, como um batimento cardíaco latejante.

Comédia Off é uma peça de humor que segue os impulsos da génese do gesto e explora a cabotinice e os clichés da comédia musical. Uma decomposição do movimento que joga com os interstícios do que é ‘show off’ para fazer ‘show in’.

A partir de observações do quotidiano por parte do coreógrafo e dos seis intérpretes, Summer’s Almost Gone forma um olhar leve, esvoaçante e lúdico sobre as dinâmicas do paredão que percorre a linha entre São João do Estoril a Cascais. Um lugar de gestos cosmopolitas onde raramente o Inverno se consegue separar do Verão.

Três peças que se debruçam sobre as possibilidades do corpo e também sobre a sua relação com o espaço, forjando um caos aparente, onde tantos movimentos e emoções surgem em continuidade e do qual, no fim, floresce a beleza.

Step Forward
Academia de Artes do Estoril
23 Fevereiro 21H00
24 Fevereiro 19H00

→ Comprar Bilhetes

Duração Aprox.
70 min

Classificação Etária
Maiores de 6 anos

Preço
10€

Coreografia
Paulo Ribeiro

Assistência à remontagem de Encantados de Servi-lo e Comédia Off
Inês Jacques

Interpretação
Afonso Cunha
Diogo M. Santos
Liliana Oliveira
Maria Martinho
Mariana Vasconcelos,
Rita Ferreira

Figurinos
José António Tenente

Desenho de luz
João Rodrigues

Música
Encantados de Servi-lo Luís Cília: Encantados de Servi-lo, Pt. 1 ; Encantados de Servi-lo, Pt. 2; Encantados de Servi-lo, Pt. 3
Comédia Off João Lucas: Suite Off
Summer’s Almost Gone Cartola: Sim; Supertramp: School, Goodbye Stranger; The Doors: The Crystal Ship, Not to Touch the Earth, Summer’s Almost Gone

Fotografia e vídeo
Joaquim Leal

Coordenação geral
Pedro Jordão

Comunicação
Patrícia Cuan

Produção
Companhia Paulo Ribeiro

Apoios
Câmara Municipal de Cascais/Fundação Dom Luís I, Fundação “la Caixa”/BPI

Estamos a preparar novidades.
A Companhia Paulo Ribeiro encontra-se na produção de um novo espectáculo – Step Forward.
Um corpo de três partes que, através do tempo, se inscreve na linguagem coreográfica de Paulo Ribeiro, composto por duas obras emblemáticas interpretadas pelo Ballet Gulbenkian – Encantados de Servi-lo, criada em 1991 (originalmente coreografada para e estreada pela companhia Nederlands Dans Theater) e Comédia Off, em 1996 -, que fazem parte do período inicial da sua identidade autoral, e Summer’s Almost Gone, uma nova criação desenhada a partir da relação do coreógrafo com o passeio marítimo de Cascais e que traz um olhar leve, esvoaçante e lúdico sobre as dinâmicas do paredão que percorre a linha entre São João do Estoril a Cascais. Um lugar de gestos cosmopolitas onde raramente o Inverno se consegue separar do Verão.
A data e local de apresentação serão anunciadas em breve.

Paulo Ribeiro

Biografia

© PÚBLICO, 2018

 

Natural de Lisboa, Paulo Ribeiro iniciou os seus estudos em dança em Bruxelas e começou o seu percurso como bailarino em diversas companhias belgas e francesas. Mas foi enquanto coreógrafo que acabou por desenvolver o seu percurso, estreando-se em 1984, em Paris, no âmbito da companhia Stridanse, da qual foi cofundador. Quatro anos depois, já em Portugal, começou a sua colaboração com a Companhia de Dança de Lisboa e com o Ballet Gulbenkian. A partir de 1991, o seu trabalho coreográfico expandiu-se no plano internacional, com a criação de obras para companhias de renome internacional como Nederlands Dans Theater; Grand Théâtre de Genève; Centre Chorégraphique de Nevers e Ballet de Lorraine.

Com a criação da Companhia Paulo Ribeiro, em 1995, o coreógrafo encontrou o espaço para afirmar a sua própria linguagem e trabalho de autor.

Foi Comissário do ciclo “Dancem”, em 1996 e 1997, no Teatro Nacional São João e, em 1998, assumiu a Direcção-Geral e de Programação do Teatro Viriato, em Viseu. Foi Comissário para a Dança em Coimbra 2003 – Capital Nacional da Cultura. No mesmo ano, recebeu o convite para dirigir o Ballet Gulbenkian, um trabalho pelo qual seria premiado. Em 2006, após a extinção do Ballet Gulbenkian, regressou ao Teatro Viriato, para retomar a direcção. Em 2014, foi homenageado pela Câmara Municipal de Viseu com a Medalha Municipal de Mérito, pelo seu contributo de reconhecida importância para o concelho de Viseu. Manteve-se no cargo até 2016, data em que saiu para assumir a direcção artística da Companhia Nacional de Bailado, a convite do Ministério da Cultura. Em 2019, lançou o projecto Casa da Dança, em Almada.

Em paralelo, participou como coreógrafo em diversas produções, nomeadamente na ópera, encenando a ópera Três Extravagâncias para a Casa da Música, no âmbito de Capicua 2002, e no cinema, para o filme La Valse, de João Botelho. A par do trabalho de criação, Paulo Ribeiro tem-se dedicado à formação, orientando vários workshops em Portugal e em países por onde a companhia tem passado. Lecciona a disciplina de Composição Coreográfica, no âmbito do mestrado de Criação Coreográfica Contemporânea, promovido pela Escola Superior de Dança, e deu aulas no Conservatório Nacional de Dança.

Em 2022, regressou à direcção artística da sua companhia e, em 2023, inicia um novo capítulo em Cascais, onde a companhia passa a estar sediada, para dar continuidade ao trabalho de pesquisa, de criação, de produção, de difusão e de formação em dança contemporânea.

Paulo Ribeiro assina uma obra plural com mais de 40 criações que tem sido distinguida com diversos prémios nacionais e internacionais de relevo, como o Prémio Acarte/Maria Madalena de Azeredo Perdigão, atribuído em conjunto com Clara Andermatt; o Prix d’Auteur nos V Rencontres Chorégraphiques Internationales de Seine-Saint-Denis (França); o New Coreography Award pelo Bonnie Bird Fund-Laban Centre (Reino Unido); o Prix d’Interpretation Collective pela ADA- MI (França); o Prémio do Público no Dance Week Festival (Croácia); o Prémio Bordalo da Casa da Imprensa; e o Prémio para Melhor Coreografia pela Sociedade Portuguesa de Autores.

A Companhia

A Companhia Paulo Ribeiro é uma das mais reconhecidas companhias de dança contemporânea portuguesa, tanto a nível nacional como internacional.

Fundada em 1995 por Paulo Ribeiro, um dos principais rostos do movimento transformador Nova Dança Portuguesa, surgiu na sequência de vários anos de trabalho junto de algumas das mais prestigiadas companhias europeias e para dar espaço à sua voz artística.

Ao longo destes trinta anos, a obra plural da companhia marcou presença regular nas principais salas de espectáculo nacionais, bem como por toda a Europa, Brasil e Estados Unidos da América. Um percurso que convoca cerca de 40 produções e cuja linguagem contemporânea tem sido reconhecida com alguns dos mais importantes prémios nacionais e estrangeiros na área da dança, e documentada em dois livros: “Corpo de Cordas” (Assírio & Alvim, 2005), de Cláudia Galhós, e “Uma Coisa Concreta” (CPR, 2015), coordenado por Tiago Bartolomeu Costa.

Entre 1998 e 2022, a Companhia fixou-se no Teatro Viriato, em Viseu, cujo projeto criou e implementou e que Paulo Ribeiro dirigiu durante quase duas décadas.

Paralelamente, a companhia tem sido responsável por um importante projecto de formação e produção de acções educativas para o público escolar na área da dança.

Em Janeiro de 2023, a estrutura passa a estar sediada em Cascais, para dar continuidade à sua missão de pesquisa, criação artística e circulação de espectáculos, bem como de formação e programação com ligação à comunidade local e às suas instituições.

A Equipa

Direcção Artística

Paulo Ribeiro

 

Intérpretes

Afonso Cunha
Iniciou o seu percurso na dança com breakdance em 2006, e dança contemporânea em 2012. Completou o curso profissional de dança no Balleteatro três anos depois, tendo ingressado posteriormente na Salzburgo Experimental Academy of Dance. Foi intérprete em criações de Né Barros e de Helder Seabra para a Companhia Instável, entre outros.

Diogo M. Santos
Intérprete de Dança Contemporânea formado pelo Balleteatro – Escola Profissional em 2014. Em Inglaterra, frequentou a Northern School of Contemporary Dance, onde fez o Foundation Course in Contemporary Dance e o BA (Hons) Dance (Contemporary). O Ballet Contemporâneo do Norte, Companhia Instável, Marianela Boán e a companhia irlandesa Instant Dissidence são alguns dos nomes que fazem parte do seu percurso.

Liliana Oliveira
Bailarina desde os 12 anos, tendo frequentado os cursos de Dança do Lugar Presente e Ginasiano, e o Curso Intensivo de Interpretação Coreográfica na Companhia Instável. Foi intérprete para Companhia de dança Kale, Companhia Instável, Cie 7273, Eldad Ben-Sasson, Mafalda Deville, Joana Providência, Victor Hugo Pontes, entre outros.

 

Maria Martinho
Concluiu o Curso de Dança na Escola de Dança do Conservatório Nacional em 2020. É licenciada em Dança pela Escola Superior de Dança e frequentou, no contexto do programa Erasmus, na Codarts, em Roterdão. Foi intérprete em criações de João Fernandes e Ângelo Cid Neto.

 

Mariana Vasconcelos
É licenciada em Dança pela Escola Superior de Dança. Participou no ART of – Stage de Danse D’été Marseille e no P.E.D.R.A. – Projecto Educativo em Dança de Repertório para Adolescentes, onde trabalhou com Clara Andermatt e Amélia Bentes. Ao longo do seu percurso académico, participou em projectos com Victor Hugo Pontes, Lander Patrick & Jonas Lopes, Marina Nabais e Marco da Silva Ferreira.

 

Rita Ferreira
Completou o Curso de Dança da Escola de Dança do Conservatório Nacional em 2019 e obteve o Diplôme National Supérieur Professionnel da Pôle National Supérieur de Danse Rosella Hightower. Foi intérprete da Compagnie Pantai e da Cannes Jeune Ballet, em França.


Assistente de Direcção
Ana Moreno

Coordenação Geral
Pedro Jordão
geral@pauloribeiro.com

Comunicação
Patrícia Cuan
comunicacao@pauloribeiro.com

Arquivo
Rodrigo Gonçalves

Notícias

Este website utiliza Cookies. Ao navegar neste website, concorda com a nossa Política de Privacidade.
Ler mais